Lula segundo Jabor

Lula fichado pelo DOPS

O presidente de vocês, daqueles que o elegeram, daqueles que compartilham a sujeira com ele, daqueles que o acobertam na mídia, daqueles que batem palmas, que se ajoelham, que se envergam em busca de recursos e desinformação, daqueles que lhe dão 70% de aprovação, chegou ao seu nível moral mais baixo, abaixo até do ponto de ebulição do álcool!
Nada está abaixo do Lula. O  Lula do “sifu”, do “porra”, do “cacete”, “sabe”, se colocou numa posição inferior, não como Presidente da República, mas como gente mesmo.

Se o álcool não lhe trava a língua nem o faz escolher palavras do seu enorme minidicionário, o que sabemos é o que o álcool não faz com ninguém, ainda assim existem assessores, os “aspones”, e toda a sorte de lacaios pagos a peso de ouro para vigiar e reparar o rei nudista, descuidado, impregnado de falsa santidade, que se acha um profeta sábio a dar lições de moral aprendidas no PCC a presidentes eleitos, como Barack Obama.
Lula tem carreira, tem currículo e folha corrida de safadezas verbais e não-verbais.
A linguagem chula é a sua primeira natureza. Lula, o pele vermelha e calórica, é isso há muitos anos.

Mas né é de sua incontinência verbal (verborréia) que estou a tratar, e sim de sua vulgaridade ímpar, desmedida, tantas vezes por nós denunciada.
Lula é um homem sem caráter; traidor dos amigos da quadrilha, porque não se faz o que ele fez com José Dirceu, com o Gushiken, com o Genoíno.
Nem na prisão deixam de valer o código de ética  e de moral – uma moral suja, uma ética suja, mas ainda sim uma moral e ética de “petralhas”. Lula, o vermelho não tem nada disso.
Pior do que imoral, Lula é ilegal. Lula é um vício de origem.

Os que dele se acercam, devem saber disso. Se sabem, são viciadores também.
Tampuco se diga que ele fala a linguagem do povo para se fazer de querido por ele.
Conversa mole, conversa de institutos de pesquisa, conversa de “datalulas” cuja ética ainda está para ser revelada.
Lula está deixando o povo com a sua cara, a sua fuça, a sua carantonha vulgar e baixa.
A nossa tão propalada “macunaimidade” era regional, pontual.

Com Lula, ela virou instituição nacional permanente.
Não é para isso que trabalha incansavelmente a Saúde/Educação do imoral Temporão e seu Pênis pedagógico?
O povo pode parecer com o Lula, mas ainda não é o Lula.
É diferente, o povo ainda pode lavar a cara todas as manhãs, que a sujeira sai.
Mas Lula não, no máximo pode ser maquiado pela enésima vez pelos puxa-sacos de sua laia, engolir uns “Engovs” e seguir sua rotina de laxista irresponsável.

O “inaudível” “sifú” pronunciado publicamente entrou para a história do Brasil, a história da infâmia do Brasil.
Mais uma da enorme série do Lula, o “serial killer” da vergonha, o personagem central dessa quadra de desonra, de baixeza da vida nacional.
Lula e seus lacaios deixaram as instituições assim:
o Parlamento, a Justiça, a Democracia, a Soberania Nacional, a Imprensa.
A marca venal é desse tamanho e contamina a sociedade inteira comprometendo o seu futuro.

E ainda essa gente assemelhada a ele quer apagar o passado brasileiro, e destruir os registros da nossa moral e os documentos da nossa boa fé, da nossa honestidade como povo.
Tudo isso para quê?
Para elevar um sujeito vulgar e desprezível à condição de líder máximo do socialismo no Brasil.
É esse sentimento que me faz voltar a todo o momento não a ele, Lula, o infame, mas para a mídio e os intelectuais de miolo que o protegem, que fingem que nada vêem., que nada ouvem.

A legião de infames que o cercam e o embelezam não pára de crescer.

Esse artigo é para vocês, jornalistas que o acham “pop” e “extravagante”.

(Arnalo Jabor)

Anúncios

O ranking dos politicos

Ranking dos políticos.

Todo brasileiro sabe onde e quando o governo ineficiente e corrupto o prejudica. A solução para isto, todo mundo sabe: vote consciente! Escolha bem seu candidato! Mas em meio a tantas noticias de corrupção e crimes escancarados cometidos por tantos e tantos membros do governo, que ninguém sabe como escolher um bom candidato. A impressão que se tem, é a de que nem mesmo exista “bons candidatos”. Por estes dias vi no Facebook um link sobre o site “Politicos.org, onde seus idealizadores (Alexandre Ostrowiecki e Renato Feder) montaram um ranking pontuando cada político de acordo com seu desempenho frente ao cargo e de acordo com o número de processos que cada um tem (ou não) contra si.

A iniciativa pode não ser uma ferramenta completa e definitiva para se escolher um candidato, mas é um ponto de partida para que o povo comece a desenvolver critérios para escolher melhor seus parlamentares, separar os bons dos muito ruins. Talvez seja também um aviso aos políticos mal intencionados de que a sociedade  está começando a pesá-los na balança.

www.politicos.org.br

Como Putin destruiu o homem mais rico da Rússia

O totalitarismo soviético deu lugar a um regime autoritário comandado por Vladimir Putin, legitimado pela frágil democracia russa. Putin é acusado de perseguir os críticos e os desafetos e de beneficiar os camaradas com privilégios ilimitados e negócios poupudos, muitas vezes ilegais. A célebre frase do escritor Geroge Orwell em seu livro A revolução dos bichos – “todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais que os outros” – ganhou um novo significado na Rússia pós-comunista. “A lei neste país é a seguinte: se você é amigo do Putin, pode fazer o que quiser”, diz Boris Nemtsov, ex-vice-primeiro-ministro  da Rússia na gestão Ieltsin e um dos principais líderes da oposição. “Se você é inimigo, vai para a cadeia”

O governo cultiva uma relação promiscua com a oligarquia¹ que se formou no país a partir das privatizações, em meados dos anos 1990. Em troca de negócios bilionários, consegue manter os oligarcas do seu lado. Quem ousa seguir um caminho independente se dá mal. Foi o que aconteceu com  Mikhail Khodorkovsky, que era o homem mais rico da Rússia e o 16º do mundo. Ex-vice-ministro da Minas e Energia, ele controlava a Iukos, uma das maiores empresas de  petróleo do país, privatizada em 1996. No início dos anos 2000, no primeiro mandato de Putin, Khodorkovsky vinha aumentando o tom de suas críticas ao governo. Em 2003, durante um encontro com Putin transmitido pela TV, discutiu com o presidente, questionando-o sobre a interferência do Estado nos negócios privados e a corrupção no governo.

Em seguida, Putin determinou uma reavaliação da situação fiscal da  Iukos, acusada de ter uma pendência de US$ 27 bilhões com o Fisco russo. Ao mesmo tempo, os ativos da empresa foram congelados pelo governo, e ela ficou sem recursos para saldar a divida. Em 2006, a Justiça decretou sua falência. A maior parte dos ativos foi comprada a preços reduzidos por estatais do petróleo. Khodorkovsky foi preso em 2003, acusado de fraude e evasão fiscal, e condenado em 2005 a oito anos de prisão. Em fevereiro de 2007, quando ganharia o direito de obter liberdade condicional, ele sofreu noas acusações de fraude e lavagem de dinheiro. Em 27 de dezembro de 2010, depois de diversas violações processuais questionada por seus advogados, Khodorkovsky foi condenado a um total de 14 anos, esticando sua libertação de 2011 para 2017. Hoje, aos 48, ele cumpre sua pena na Colônia Corretiva Nº 7, na pequena cidade de Segeja, no noroeste da Rússia. Sua correspondência e suas visitas são limitadíssimas.

” A Rússia é um típico país autoritário. Não há eleições transparentes, competição política, um Parlamento de verdade, independência  da justiça. O que temos é uma imitação barata de democracia…”, diz Nemtsov.

Dilma presidente

E deu Dilmão na cabeça!!! O povão seguiu a lógica de que ela será uma “extenção do Lula”, uma espécie de continuidade do governo atual. Pode ser que sim, mas também pode ser que ela seja uma releitura do que foi Celso Pitta num passado não muito distante, quando o Paulo Maluf o lançou como candidato à prefeitura paulistana com o famoso compromisso “Se o Pitta não for um bom prefeito, nunca mais vote em mim”. E o povo achando que Pitta seria o novo “rouba-mas-faz” que consagrou Maluf entrou pelo cano, pois o finado Pitta (que pague por seus pecados em outra vida) roubou e não fez… deixou o Fura-Fila de lado (sua principal plataforma politica) e partiu para um governo cheio de escandalos e corrupção que culminou na perda de seu mandato como prefeito.

Se Dilma realmente for uma continuação do governo Lula, muito que bem, afinal apesar de eu não gostar do PT tenho que admitir que Lula não foi um mal presidente. Mas por outro lado se ela for um fiasco como foi Pitta, o Brasil caminhará para trás. Agora é esperar para ver e torcer a favor…torcer contra é burrice.

(Nota: não votei nem em Serra, nem em Dilma. Nenhum dos dois me convenceram. Coloquei a foto do humorista Carioca travestido de Dilma Do Chefe para ilustrar este post, pois não suporto a figura de nossa nova presidente)

Cada povo tem o governo que merece

Assim diz o dito popular. Me lembrei disso quando tive a infame experiência de assistir à propaganda eleitoral do Tiririca na tv. E eu que já sou um descrente político, achei o fim da picada. Acho que agora a palhaçada (desculpem o trocadilho) descambou de vez. “Vote TIRIRICA, pior que tá não fica! Fica sim, caro amigo. Eles sempre arrumam um jeito de piorar a coisa para o lado do povão…o mesmo povão que rí das gracinhas do palhaço Tiririca na campanha eleitoral, e no embalo do  “bom humor brasileiro”, acaba votando nesse tipo de candidato “só pra zuar”. De zueira em zueira, o país está do jeito que está.  Duas coisas permitem ao sr. Tiririca se candidatar a deputado: 1) a democracia, que garante a qualquer cidadão se candidatar a um cargo político; 2) a descrença do povo na política, que acaba levando tudo na brincadeira.

Em países onde a política é feita por homens (e não moleques) e levada a sério e com respeito, candidatos como Tiririca, Vampeta, Mulher Pêra, Maguila e companhia não teriam vez. Tudo bem, eles podem ser celebridade, ter carisma, mas com certeza não tem nenhum engajamento politico, nenhum interesse em representar o povo na câmara dos deputados ou no senado. O próprio Tiririca declara: “Você sabe o que faz um deputado? Não? Nem eu…mas quando eu for eleito, eu descubro e volto pra te contar”. Ele pode até ser engraçado nos programas de humor, mas brincar com a direção do país, não tem graça nenhuma. Pior ainda, é caçoar da cara dos eleitores, quando deveria demonstrar um mínimo de respeito para com o cargo que pretende exercer e para com aqueles que possivelmente poderiam elegê-lo.

Se a democracia garante o direito a qualquer cidadão comum de concorrer a um cargo político, cabe ao povo não votar em aberrações como esta. Porque só nos falta agora termos que nos desvencilhar dos muito sabidos que querem nos roubar, agora termos também que escapar dos desinformados que querem entrar lá para zombar com a nossa cara. Lembre-se de que cabe a você “não deixar ficar pior do que está”