As marcas de motocicletas no Reclame Aqui

O site Reclameaqui.com.br compila reclamações de consumidores de produtos e serviços do Brasil inteiro. Fiz uma breve pesquisa sobre a relação de alguns fabricantes de motocicletas com as reclamações de seus clientes e consegui algumas informações que possam ajudar alguns leitores a ter uma visão de pós-venda antes de comprar uma moto.

E antes que me perguntem sobre Honda e Kawasaki, elas não estão citadas na pesquisa, pois o reclameaqui.com estava “coletando dados” destas duas marcas. Procurei também por reclamações contra a Harley-Davidson que agora tem representação oficial no Brtasil, mas não constava reclamação alguma quanto à marca. Neste caso, pode ser que hajam reclamações contra o antigo representante, o Grupo Izzo. Mas aí não seria necessariamente contra a Harley-Davidson.

As mais reclamadas

Quanto ao número de reclamações, a Dafra perdeu disparado com 1032. Por ser relativamente  nova no mercado, ainda careça de know-how quanto ao atendimento pós-venda. Talvez tenha perdido para a Kasinski por vender um volume maior de motocicletas e por consequência ter também um número maior de reclamações. A Yamaha tem o segundo maior número de reclamações com 862, mas o fato de vender um volume maior de unidades justifica este número?

Problemas vs. Soluções

Tudo bem! Temos que levar em conta que levar em conta, o fato de que nenhum produto é a prova de defeitos. Então se os problemas existem, as soluções devem existir na mesma proporção (pelo menos em tese). No gráfico abaixo, você confere quais os níveis de atenção as marcas dão às reclamações dos clientes e qual o percentual de resolução dos defeitos apresentados elas conseguem atingir.

Mas o fato de ouvir as reclamações de seus consumidores, não significa que as marcas são eficientes na hora de resolver os problemas apresentados. Prova disto, é a Yamaha que alcança quase 100% na hora de atender as reclamações de seus clientes, mas que tem o pior índice de solução para tais problemas. E justiça seja feita: se a Dafra, como foi dito lá em cima tem o maior número de reclamações, é a que também consegue o melhor desempenho na hora de solucionar as reclamações. Aqui BMW e Suzuki são apenas razoáveis em ambos os critérios. A Kasinski que sempre é apedrejada no pós-vendas, faz por merecer. É que menos se preocupa em atender as reclamações e tem um péssimo índice de resolução dos problemas.

Quanto tempo vai demorar?

Os problemas existem, são ouvidos e (às vezes) solucionados. Mas quanto tempo demora, desde a reclamação e a resolução do problemas? Neste ponto, a Yamaha volta ao topo com um prazo médio de quase 10 dias. A que mais demora em resolver a insatisfação de seus clientes é a Kasinski que tem um tempo médio de 68 dias para trazer uma solução. Aqui a Dafra também deixa a desejar: 55,3 dias em média.

E o que diz o consumidor?

No site, o consumidor pode pontuar a empresa de acordo com seu desempenho em resolver as reclamações. Segundo os reclamantes, Dafra e BMW são as melhores (4,95 e 4,44 pontos, respectivamente), Suzuki não fica muito atrás, enquanto Kasinski e Yamaha amargam o pior desempenho com notas abaixo dos 3 pontos. Quanto a voltar a consumir produtos da marca, BMW e Dafra alcançaram o melhor desempenho com quase metade dos reclamantes alegando que voltariam a consumir produtos destas marcas. Kasinski ficou na lanterna de novo com apenas 27,8% dos consumidores voltando a uma de suas concessionárias para comprar novamente. Suzuki e Yamaha ficam na média. Mas todos estes números poderiam ser melhores!

Conclusão!

Marcas novatas como a Dafra, podem ser uma boa opção na hora do pós-venda. O número de reclamações mostra que você pode vir a ter problemas com algum produto desta marca, mas por outro lado, terá 75% de chance de ter sua reclamação resolvida, nem que demore quase dois meses.

Uma marca premium como BMW deveria ter um melhor nível de atendimento às reclamações de seus clientes. O percentual de reclamações solucionadas é inaceitável para uma marca que vende motocicletas que chegam a custar 100 mil reais. Metade dos clientes voltariam a comprar uma BMW, mas a outra metade não!

A Suzuki ouve seus clientes, tem um índice razoável de solução de problemas, mas exigem um prazo longo para resolvê-los: pouco mais de um mês. Apenas 37% dos reclamantes da marca voltariam a uma loja da Suzuki.

Uma marca consolidada como a Yamaha deveria ter um desempenho melhor nesta pesquisa, pois perdeu até para a Kasinski na hora de solucionar os problemas de seus clientes, que lhe deram uma péssima nota de avaliação: 2,66. Tem apenas 16% a menos de reclamações do que a Dafra. As únicas vantagens que um consumidor insatisfeito terá com a Yamaha, é a de que sua reclamação terá 98% de chances de ser lida e que será atendida em aproximadamente 10 dias. Mas se levarmos em conta que menos da metade das reclamações são solucionadas, a Yamaha é uma péssima opção.

Considerações finais

Esta pesquisa envolve apenas reclamações feitas no site Reclameaqui.com.br, ou seja, é apenas uma pequena mostra de clientes insatisfeitos e soluções alcançadas. Deve-se levar em consideração que tantas outras reclamações podem estar em andamento junto a tribunais e conselhos de proteção ao consumidor, bem como tantas outras reclamações podem alcançar soluções pelas marcas e fabricantes aqui citados.

Anúncios

Embalagens vintage

O tempo passa e algumas coisas vão ficando. Basta olhar nas prateleiras dos supermercados. Ainda convivemos com laguns produtos que estão presentes em nossas vidas desde a infância. E o mais curioso é que alguns mantem a embalagem e o rótulo exatamente igual há décadas. 

A caixa da Maizena continua na mesma cor, mesmo desenho e apenas com algumas mudanças nas fontes e acabamento.

O Polvilho granado vinha numa embalagem de papelão com tampa de metal. Agora é toda em plástico, mas o grafismo geral é praticamente o mesmo

No Biotônico Fontoura, o rótulo ainda apresenta estilo art noveau. Agora vem em plástico, mas antigamente o frasco era em vidro.

O desodorante Très Marchand também está com a mesma cara e com o mesmo perfume barato e enjoativo. E a embalagem continua de plástico, como desde sempre.

A Colônia Alfazema parece intocada, durante décadas.

O Elixir de Inhame com a inconfundível garrafinha plástica marrom e rótulo verde, que parece intocado desde a década de 1940.

Reduzindo custos, a Emulsão Scott também aboliu o frascão de vidro e adotou o plástico. Mas o pescador arrastando um atum está lá no rótulo, firme e forte… e o gosto insuportável da emulsão também.

O potinho redondo da Minancora continua laranja e azul com aquele desenho inconfundível. Mas ao invés de lata, o pote é em plástico.

Outro desodorante barato que sobrevive ao tempo, é o Wild Musk da Coty. Se a embalagem é pobre e feia, vale como item saudosista.

A mais pop das embalagens vintage é a Coca-Cola, que apesar de ter ganho várias versões ao longo do tempo, jamais abandonou a garrafa de vidro em formato de cacau e as letras floreadas que carrega há mais de um século.

O sabonete preto na embalagem amarela. Só podia ser o Phebo “odor de rosas”. Clássico dos banheiros.

Desde sempre o Leite de Rosas traz a garrafinha plástica rosada e um aroma inconfundível. Para não dizer que não houve mudanças, ela ganhou o código de barra em meados da década de 1980.

E uma das embalagens mais “preservadas” é a da Manteiga Aviação. A lata alaranjada mantém até mesmo as letras originais, algo incomum.

Marcas do passado

Com o passar do tempo, alguns fabricantes de automóveis sumiram por dificuldades financeiras ou por se associarem com outras marcas. Veja abaixo algumas marcas que entraram para a história da indústria automobilística, mas que não estão mais entre nós.

Logomarcas automotivas

O símbolo da Alfa Romeo presta homenagem à cidade italiana de Milão, e reúne tanto a bandeira da cidade (a parte com a cruz vermelha) quanto o símbolo da família real milanesa (a cobra devorando o homem, representado em vermelho). As quatro argolas da marca representam a Auto Union, conglomerado alemão que reunia as fabricantes Audi, Horch, DKW e Wanderer. Os aros são entrelaçados justamente para simbolizar a união entre essas marcas.

Acreditava-se que a logomarca da BMW simbolizava uma hélice de avião, mas em 2010 a empresa tornou oficial a informação de que a logomarca representa apenas as cores da bandeira da Baviera, região onde fica a sede da marca.


A Chevrolet tem esse nome em homenagem ao piloto suíço Louis Chevrolet, um de seus fundadores. A origem da logomarca é uma espécie de lenda: William Durant, outro fundador da empresa teria visto o desenho num hotel de Paris e resolveu utilizá-lo para a marca.

O “duplo chevron”, símbolo da Citroën, não é uma patente militar. Na verdade, representa uma engrenagem helicoidal, invenção de André Citroën, fundador da marca.

O símbolo da Dodge é um carneiro montanhês. Ele foi criado pelo escultor Avard T. Fairbanks, que trabalhava na Universidade de Michigan em 1929. Fairbanks queria trocar seu carro e, para ganhar um veículo novo, ofereceu seus serviços à Chrysler, detentora da marca.

O cavalo era originalmente o símbolo do Conde Francesco Baracca, um lendário ás da força aérea italiana durante a I Guerra Mundial, que o pintou na lateral de seus aviões. Baracca morreu muito jovem em 19 de Junho de 1918, abatido após 34 duelos vitoriosos e muitas vitórias em grupo, tornando-se assim um herói nacional. Em 17 de Junho de 1923, Enzo Ferrari ganhou uma corrida no circuito de Savio em Ravenna onde conheceu a Condessa Paolina, mãe de Baracca. A Condessa pediu que ele usasse o desenho de um cavalo nos seus carros, sugerindo que isso lhe daria boa sorte.

Ferruccio Lamborghini, fundador da marca italiana de carros esportivos, era fanático por touradas. O resultado de tamanha paixão é visto na logomarca daLamborghini e no nome dos seus carros, que homenageiam touros.

O famoso tridente da Maserati representa o deus dos mares Netuno, símbolo da cidade de Bolonha, sede da marca.

A mais antiga fabricante de automóveis do mundo adota a estrela de três pontas; o símbolo da Mercedes-Benz representa a terra, o ar e o mar.

Mitsubishi significa “três diamantes” em japonês. Com o símbolo, a marca — que atua em diversos ramos da indústria, como o de produtos eletrônicos — sinaliza o “domínio” sobre o ar, a terra e o mar, além de salientar a durabilidade de seus produtos.
O leão da Peugeot começou a ser utilizado a partir do final da Segunda Guerra Mundial. O animal é o símbolo da região de Franche-Comté, origem do clã que dá o nome à fabricante.

A logomarca da alemã Porsche é um brasão que representa o Estado alemão de Baden-Württenberg. É nele que fica a cidade de Stuttgart, sede da empresa, que também adota um cavalo empinado em seu símbolo.

A logomarca da francesa Renault, em formato de losango, simboliza um diamante, para simbolizar o prestígio e a sofisticação dos veículos da marca.

A marca Skoda, da República Tcheca, tem como logomarca uma cabeça de índio estilizada, com cocar e flecha. O significado é nebuloso, mas a “asa” do logo pode ser interpretada como o progresso técnico da marca, e a “flecha”, a tecnologia.

O símbolo da SsangYong representa os dragões gêmeos da mitologia coreana, os quais são criaturas associadas a força, realeza e poder.

Subaru é o nome japonês da constelação de Plêiades. O grupo de estrelas está representado na logomarca da empresa.

A logomarca da Volkswagen, empresa criada na Alemanha na década de 1930, reúne as letras V (de Volks, povo) e W (de wagen, carro) usando um estilo gráfico bastante típico da época.A palavra Volvo significa “eu rodo” em latim. O símbolo da marca é o mesmo do elemento ferro, em homenagem à indústria siderúrgica sueca.

A Yamaha começou sua história fabricando instrumentos musicais, daí seu símbolo com dois diapasões (ferramenta utilizada para afinar instrumentos) sobrepostos. Quando passou a fabricar motocicletas, manteve a logomarca então utilizada na divisão musical.