O fim da Era do Automóvel?

Apontado como vilão do trânsito e do meio ambiente, o carro deixou de atrair os jovens como antigamente. A indústria tenta reagir

(Marcelo Moura e Isabella Ayub)

autoage1

O Empresário Tennyson Pinheiro, de 35 anos, usava o carro para ir de casa, para seu escritório, a 9 quilômetros de distância, em 45 minutos. Achava isso normal, até passar dez dias em Londres, em 2009. “Lá todo mundo anda de metrô”, diz. “Percebi que tinha uma rede de transporte público razoável em São Paulo, e nem usava.” Pinheiro e sua mulher, que não têm filhos, experimentaram deixar o carro na garagem por um M~es. “Gostei tanto que vendi o carro”, afirma. “Pagava caro para mantê-lo, vivia estressava e não me ligava à cidade.” Pinheiro não está sozinho. Uma parcela cada vez maior de jovens decide viver sem carro. “Há um paradoxo no Brasil”, diz João Cavalcanti, sócio da consultoria de mercado Box 1824. “Nunca se comprou tanto carro, mas, ao mesmo tempo, o desejo por ele está caindo.” De acordo com o consultor Bob Lutz, ex-vice-presidente de BMW, Ford, Chrysler e General Motors, a queda do interesse por automóveis é uma tendência mundial. “A sedução do carro não faz mais sentido”, afirmou à ÉPOCA. “Dirigir será um lazer excluído das cidades, como andar a cavalo.”

O paradoxo do Brasil, onde a venda de automóveis cresce, e as pesquisas de mercado mostram a queda do interesse, se explica pela diversidade do país. A Associação Nacional de Fabricante de Veículos Automotores (Anfavea) afirma que a média brasileira de 6,1 habitantes por carro ainda é alta e deverá cair à metade até meados de 2020. O crescimento nas vendas é puxado pela demanda reprimida nas regiões Norte e Nordeste. No Sul e Sudeste, o aumento da frota passou a acompanhar o crescimento da população, Nessas regiões , observa-se a queda do interesse pelos carros. Segundo a Pesquisa Origem e Destino, do  Metrô, a relação de carros por habitante em São Paulo manteve-se estável entre 1997 e 2007. Nesse período, o suo de transporte público subiu de 45% para 55%.

O interesse do consumidor diminui à medida que o automóvel deixa de cumprir sua principal promessa: a mobilidade. Em 2009, a Fundação Dom Cabral publicou um estudo que afirma: o trânsito está à beira do colapso no Rio de Janeiro, em São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre. Os momentos de trânsito intenso se prolongam de tal forma, que me 2013, não haverá mais calmaria entre os horários de pico da manhã, da tarde e da noite. os engarrafamentos tendem a se prolongar e virar uma coisa só.

Desaceleração no trânsito

A imobilidade do automóvel desafia o modelo de moradia importado dos Estado Unidos, que virou sonho da classe média brasileira a partir da década de 1970, em bairros como Barra da Tijuca no Rio de Janeiro, ou Morumbi, em São Paulo: morar afastado do centro, numa casa ampla com  mais de duas vagas na garagem. O novo sonho da classe média é viver perto do transporte público.

Nos estado Unidos, os jovens estão comprando  menos carros, tirando carteira de habilitação mais tarde e dirigindo menos quilômetros. A fatia de mercado do público entre 21 e 34 anos encolheu de 38%, em 1985, para 27%, diz o instituto de pesquisas CNW. A Universidade de Michigan afirma que, em 2008,  18% da população entre 20 e 24 anos não tinha carteira de motorista – em 1983, esse índice era de apenas 8%. Segundo o grupo de estudos Frontier, a distância percorrida por motoristas entre 16 e 34 anos diminuiu 24%. A queda do interesse por carros é, em parte, fruto da crise econômica. Na Espanha, a taxa de desemprego da população entre 16 e 24 anos alcançou 53%. A recessão não é a única responsável pelo declínio dos carros. ” Mesmo jovens empregados, ou de famílias ricas, estão dirigindo menos”, afirma Tony Dutzigm responsável pelo estudo do Frontier. A General Motors encomendou uma pesquisa à MTV Scratch, consultoria que estudo tendências de consumo. Cerca de 3 mil jovens apontaram suas marcas favoritas, num universo de 31. Google e Nike lideram a lista. Nenhuma montadora ficou entre as dez primeiras. Para Jim Lentz, presidente do departamento de vendas da Toyota nos estado Unidos, o desapego juvenil veio para ficar. “Temos de encarar a realidade crescente de que os jovens não parecem interessados em automóveis, como eram as gerações anteriores”, diz Lentz.

A perda do interesse por ter um carro particular é uma novidade histórica. Automóveis viraram parte das famílias  de classe média desde 1908, quando o americano Henry Ford lançou o modelo T, vendido inicialmente por US$ 850 (US$ 21 mil, em valores de hoje). Antes do Ford T, carro era brinquedo de gente rica e excêntrica. Depois dele, tornou-se um produto de massa. “Farei um carro grande o bastante para levar a família, e pequeno o bastante para uma pessoadirigir e cuidar”, disse Ford, em seu livro Minha vida e trabalho. “Ele terá preço tão baixo que todo homem de bom salário será capaz de ter. ” A produção anual da Ford passou de 10 mil unidades, em 1908, para mais de2 milhões, em 1923. Hoje, o mundo tem cerca de 1 bilhão de carros. A cada ano, são fabricados 60 milhões.

No século XX, o automóvel se tornou parte indissociável da sociedade. “Perguntar se os carros moldaram a cultura ou se a cultura moldou os carro é uma variação da questão entre o ovo e a galinha”, diz Paul Ingrassia, autor do livro Engines of change (Motores da mudança, inédito no Brasil) A urbanização dos EUA foi sustentada pelo meio de transporte individual, com moradias distantes do centro da cidade, ligadas ao local de trabalho por vias largas. O Brasil acompanhou  esse modelo na década de 1940, abandonando o investimento em trens e bondes, em favor de ruas e avenidas para carros.

No pós guerra, o carro se estabeleceu como instrumento de afirmação dos jovens, ao proporcionar liberdade, coesão social e status. Esse papel foi registrado nas produções artísticas. No livro Pá na estrada (1957), de Jack Kerouac, garotos cruzam os Estados Unidos num carro. No caminho, fazem amigos, descobrem o mundo e se descobrem. No filme Juventude transviada, de 1955, James Stark, interpretado por James Dean, usa calças jeans, camiseta branca, fuma e tem carro. Sentados no para-choque, ele e sua garota combinam nunca  mais voltar para a casa de seus pais. Nas horas vaga, Dean era piloto. Morreu dirigindo um Porsche Spyder, aos 24 anos, fundindo ator e personagem num mito da juventude eterna. O paradigma para os homens maduros surgiu em 1962, nos filmes de James Bond. O agente 007 usava terno e gravata, fumava cigarro, dirigia um Aston Martin e tinha mulheres a seus pés. James Dean e James Bond personificaram o padrão ocidental de sucesso masculino. “Um homem com mais de 26 anos, dentro de um ônibus pode se considerar um fracassado”, disse Margaret Thatcher, em 1986, quando era primeira ministra do Reino Unido.

O ciclo do automóvel

A frase de Thatcher tende a virar um registro de uma era que passou. A fumaça dos automóveis com seu motor a combustão, segue caminho semelhante ao da fumaça dos cigarros. Assim como o cigarro virou alvo de campanhas que apontam o fumo como causa de doenças, o carro foi eleito um dos grandes culpados pelas mudanças climáticas. A causa ambiental ganhou força após a exibição do documentário Uma verdade inconveniente (2006), do ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore, e da realização do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2007. O documento da ONU afirma que o transporte rodoviário responde por 24% das emissões de CO2 nos Estados Unidos e 22% na Europa. A condenação do carro coincidiu com a emergência dos artigos eletrônicos, como smartphones e tablets, como sonho de consumo. Eles cumprem papéis historicamente atribuídos aos carros: encurtam distâncias e exprime a individualidade de seu dono. Sua constante inovação confere status social àqueles que compram o úçltimo modelo. “Muitos jovens preferem comprar smartphones a tirar habilitação”, diz Tony Dutzig, pesquisador do Frontier. “Eles reduzem a necessidade de locomoção, para manter contato on-line com os amigos.”

Formas deuso mais flexível dos meios de transporte também começam a se afirmar. Rio de Janeiro e São Paulo adotaram sistemas de aluguel de bicicletas, seguindo o modelo do programa Vélib, de Paris. Los Angeles, cidade americana historicamente devotada ao automóvel particular, está implantando corredores de ônibus rápido, com faixas exclusivas, como em Curitiba, no Paraná, e Bogotá, na Colômbia. O ciclista deixa sua bicicleta num rack, à frente do ônibus, e sai pedalando de qualquer ponto. Em São Paulo a empresa Zazcar aluga carros de por frações do dia, debitáveis de um cartão pré-pago. A inspiração é a empresa Zipcar. Fundada em 2000, nos estados Unidos, a Zipcar tem cerca de 770 mil clientes.

A indústria do automóvel está reagindo. A nova tendência entre as montadoras é tentar se afirmar como empresas de mobilidade, em que o carro é uma entre várias opções. O Salão do Automóvel de São Paulo foi um sinal da mudança de ares. Nunca um evento teve tantas bicicletas quanto na 27ª edição. Foram ao menos 12, presentes no estande de nove montadoras. Estavam ali para enfeitar carros de apelo jovem, como o EcoSport, mas não só por isso. “Dependendo da aceitação do público,  passaremos a vender nossa bicicleta elétrica no Brasil”, diz Oswaldo Ramos, diretor de marketing da Ford. “Ela é importante para fortalecer nossa imagem.” Na Europa, a BMW lançou um aplicativo de smartphone que mostra a maneira mais rápida de ir de um lugar a outro. Por vezes, o roteiro propõe estacionar o carro e pegar um trem. “A marca BMW tem a ver com eficiência e prazer”, diz Henning Dornbusch, presidente da BMW do Brasil. “Queremos proporcionar isso, mesmo se a locomoção não incluir o carro”. A empresa implantará na Alemanha um projeto de compartilhamento de garagens. Quem mora no bairro A e trabalha no bairro B poderá trocar de vaga, durante o expediente, com quem faz o caminho contrário. “Queremos incentivar o melhor uso do espaço”, diz Dornbusch.

A oferta de carros híbridos e elétricos é outra resposta da indústria automobilística, às críticas à poluição. O exemplo mais bem-sucedido é o Prius lançado pela Toyota em 1997. Em baixas velocidades, ele usa um motor elétrico, sem emitir fumaça. um pequeno motor a gasolina é acionado em altas velocidades e para recarregar as baterias. O uso combinado permite ao carro rodar média de 20 km/l de gasolina, metade do consumo de um Toyota Corolla. O Prius era (e é) caro, como foram outras tentativas de fugir ao tradicional motor a combustão. Segundo o jornal The New York Times, a economia de combustível de um carro híbrido leva oito anos para compensar o maior investimento na compra. O Prius deu certo ao se afirmar como alternativa ecologicamente correta em oposição aos Hummers – jipões capazes de escalar paredes, com consumo na casa dos 6 km/l. A diferença entre os dois mundos foi registrado pelo The New York Times na festa do Oscar de 2004. “Hugh Hefner ( o já decadente fundador da revista Playboy) chegou num Hummer”, disse o jornal. “Tom Hanks chegou num Prius.” Em Janeiro, a Toyota lançará o Prius no Brasil. Não é uma aposta no escuro. No ano passado, a Ford vendeu no país 200 unidades da versão híbrida do Fusion, por 130 mil – 60% mais caro que o modelo comum.

Motores menos poluentes reduzem o impacto ecológico do carro, mas não alteram seu impacto no espaço. Em silêncio, sem emitir fumaça, o motorista de um híbrido continuará limitado pelo tráfego e pelas leis de trânsito. No futuro, aqueles que amam dirigir rápido, como nos filmes de James Dean e James Bond, encontrarão saída em lugares fechados. Os condomínios autódromos já existem nos estados Unidos. em breve chegarão ao Brasil. Em vez de campo d golfe ou haras, a atração principal será uma pista de corrida, que ocupa uma grande extensão do terreno, cercado por casas. Uma imobiliária planeja lançar um assim, no interior de São Paulo, assinado pelo ex-bicampeão de Fórmula 1 Emerson Fittipaldi. Cada vez menos agradável nas cidades, o carro particular poderá um dia deixar de ser um meio de transporte para voltar a ser um mero brinquedo.

Anúncios

Idosa vende Mercury Comet com 927 mil km rodados

Rachel Veitch de 93 anos de idade, da Flórida, estacionou seu carro pela última vez depois de ter rodado 927.000 km, mais do que uma viagem de ida e volta à Lua, em 48 anos ao volante do confiável automóvel. a enfermeira aposentada  comprou seu Mercury Comet Caliente por US$ 3.289 em fevereiro de 1964. O carro durou três casamentos e 18 mudanças de bateria.

No último dia 9 de março ela teve que parar de dirigir por ter se tornado legalmente cega. Agora, Rachel planeja vender o carro no lugar de repassar a familiares, com receio de que eles não cuidem bem do automóvel. “Eles não vão ficar com ele porque não poderiam cuidar como eu cuidei”, disse a vovó à Fox News. Rachel tem quatro filhos, nove netos e 11 bisnetos. Para ela, a atenção e o cuidado que deu ao carro são a razão de o automóvel ter durado tanto tempo.

Em 2009 ela disse à Fox News: “Quando compro gasolina, escrevo quantas milhas percorridas até então, a data e, em seguida, quantas milhas o carro faz com um galão de combustível. Nunca fui uma pessoa destrutiva, sempre cuidei muito bem de tudo, exceto de meus maridos”.

Venda a  Jay Leno?

O carro, que valeria cerca de US$ 12 mil e tem três conjuntos de amortecedores e oito tubos de escapamento, sofreu apenas uma colisão, na traseira, em 1980. O automóvel deverá participar de uma exposição de relíquias de quatro rodas no Wisconsin, em julho, embora Rachel não saiba qual o destino do carro depois disso. Ela afirma considerar a venda para Jay Leno, um entusiasta de carros clássicos nos Estados Unidos e apresentador do popular programa de entrevistas noturno The Tonight Show. “Ainda não falei com Jay Leno, mas imagino que ele esteja interessado. Mas não quero pensar nisso agora”, disse a idosa à Fox News quando se tronou impedida de dirigir. A enfermeira aposentada afirmou, porém, que vem se adaptando bem à vida sem o carro. “Tenho consciência de que não seria seguro dirigir”.

Embora tenha rodado o equivalente a mais do que duas vezes a distância da Terra à Lua (380.000 km), o Mercury não bateu o recorde de distância percorrida por um automóvel. Irv Gordon foi citado no Guinness Book de Recordes Mundiais em 1998 com 2,72 milhões de quilômetros com seu Volvo P1800 modelo 1966. Ele teria acumulado ainda mais depois do recorde, chegando a cerca de 4,8 milhões de quilômetros com o mesmo carro.

Ele tem um Shelby Cobra original!

Em todo o mundo, existem cerca de 12 proprietários de Shelby Cobra originais. Hank Williams é um deles

O Shelby Cobra é um ícone do mundo automotivo, uma combinação perfeita de chassi esportivo inglês com motor de muscle car americano. Foram feitas tantas réplicas dele que é difícil encontrar um original. Ainda mais raros são os Cobra genuínos de um único dono. É exatamente o caso do modelo abaixo, de propriedade de Hank Williams, um americano de 72 anos que mora em Fontana, Califórnia (EUA). Já se passaram 46 anos desde que o jazzista aposentado e piloto pegou as chaves de seu Shelby Cobra 4.7 V8 de segunda geração. Foi o início de uma parceria de sucesso, que fez do carro um dos maiores ganhadores de troféus de corridas, ralis e exposições do mundo – foram 419 premiações. ” Eu não o venderia. Não hoje”, explica Hank. Mas já apareceram muitos interessados em fazê-lo mudar de opinião. “Há um nova-iorquino que me liga a cada dois anos, desde 2001. Na última vez, ofereceu US$ 1,5 milhão”, conta. Detalhe: Hank pagou US$ 6.390,23 pelo carro, o que, em valores atualizados, daria cerca de US$ 45 mil.

Como um dos raríssimos donos de Cobra original (há menos de uma dezena), Hank tem fãs famosos, como o próprio Carroll Shelby. É dele o autógrafo na tampa do porta-luvas. O criador do modelo sempre leva Hank aos eventos que reúnem carros da marca e até o convidou para a inauguração do museu da Associação Nacional de Hot Rods em Las Vegas (EUA), em 1998. Afinal, não há Hot Rod mais original que o dele, construído pelo próprio fundador da Shelby American.

Hank não comprou o carro para participar de corridas, mas não demorou para iniciar uma carreira de dez anos nas competições. O Cobra participou de 394 eventos e conquistou 35 troféus – entre eles, uma placa comemorativa por Hank  ter sido o primeiro negro a competir no Circuito de Indianápolis. Mesmo com tantas corridas, os acidentes fortam poucos e pequenos. “Nunca aconteceu nada grave. Não sei se fui sortudo ou se Alguém, lá em cima me vigiava, mas o chassi nunca foi danificado, só a carroceria”, brinca. Mas não era apenas nas pistas que o Cobra marcava território. Dirigido cotidianamente até os anos 1970, sempre foi uma raridade nas estradas- e uma surpresa para os outros muscle cars americanos. A Ford fornecia o V8 de 340 cv para Shelby porque queria um carro que andasse mias que um Corvette  . Hank explica que ganhar rachas com ele era comum, pois a relação peso-potência do cobra era melhor. “Foram tantos Corvette que deixei comendo poeira…”, relembra. “A maioria dos motoristas nem sabia qual era o meu carro. Pensavam que era um MG e, com a capota fechada, achavam que era um BMW.”

Prova do impressionante acerto de fábrica, é que Hank com o carro quase original, adicionando apenas alguns componentes comprados diretamente da Shelby. O escape de corrida, o santantônio e o para-brisa menor foram aposentados – mas, devidamente guardados, hoje são também raridades valiosíssimas.

Hank abre o porta-malas e “saca” um martelo desgastado, com  a marca Thor, que era usado para encaixar os cubos de roda. Ele é parte do kit de ferramentas original que continua em seu Cobra. “Algumas pessoas matariam por essas ferramentas. São extremamente raras. Sempre ando armado para protegê-las”, conta Hank. “Uma vez um cara veio de Michigan, dirigiu quase 5 mil quilômetros apenas para fotografar as ferramentas, pois queria queria copiá-las”, justifica.

Outra raridade do carro é a cor azul acinzentada. Essa cor nunca foi oferecida oficialmente, mas  é original de fábrica. “Ninguém sabe que cor é essa”, conta Hank. “Quando pintaram o carro, o azul tinha acabado. Então misturaram um pouco de cinza para finalizar três carros. Desses três, um já foi repintado de branco”, conta. Até o teto rígido genuíno comprado para proteger a noiva do frio, é raro. Em um evento realizado em 1989 Carroll Shelby ficou tão impressionado com ele que disse a Hank para deixá-lo no carro.

Pode fazer quase 40 anos que o carro parou de ser usado no cotidiano, mas o Cobra está longe de ser um modelo de exposições. Hank o leva rodando para muitos eventos nos estado Unidos, muitas vezes ganhando prêmios por ser o participante  que veio de mais longe. “Ele é devidamento pilotado”, frisa seu feliz proprietário. Esse carro me deu 25 anos de vida”, diz Hank. “Eu não o idolatro, não se trata de ter orgulho. Ele é simplesmente uma parte de mim”, resume.

Depois de meio século juntos, a relação de Hank com o carro superou a duração de muitos casamentos e não parece ter data para acabar. O carro, assim como Hank, virou parte da história dos Shelby. Como o conceito original do carro, trata-se de uma combinação perfeita.

—————————————————————————————————————————————

fonte: Motor Show nº 349, abril de 2012 – Editora 3 – texto de Alex Grant

Os custos de um jipão

A velha Toyota SW4 é um “trambolho” de quase 2 toneladas e já demonstra os sinais do tempo. Derivada da pick-up Hillux, é uma autêntica SUV com tração integral e suspensão mais voltada para o off-road. Já a nova geração da Kia Sportage é um crossover de última geração, mais compacto e mais leve que a Toyota. Tudo leva a crer que o projeto mais moderno da Kia garanta menos despesas de manutenção da Sportage… grande engano. O infográfico abaixo mostra que manter uma SW4 é mais barato (ou menos caro) do que manter o crossover coreano. Culpa de peças e materiais mais elaborados do coreano, ou simplesmente da política de preços de cada marca.

Top 10: os carros mais velozes do mundo

Daimler Benz T80 (1939)

633,61 km/h

Hennessey Venom GT (2010)

437,74 km/h

SSC Ultimate Aero (2009)

434,52 km/h

Vector Avtech WX-8 HPV (2008)

434,52 km/h

Bugatti 16/4 Veyron Super Sport (2010)

430,82 km/h

Keating TKR (2006)

418,43 km/h

SSC Ultimate Aero TT (2007)

414,31 km/h

9FF GT-9R (2009)

413,75 km/h

9FF GT-9R Prototype (2008)

413,6 km/h

10º

Hennessey SRT-10 Viper Venom 1000 Coupe (2005)

410,38 km/h

____________________________________________________________________________

Fonte: http://www.supercars.net/lists/topspeed.html

Salão de carros antigos

O Salão Internacional de Veículos Antigos acontecerá em São Paulo e irá reviver cada década, retratando as mudanças de comportamento, de estilos, mas sem esquecer aqueles que serão os grandes homenageados: Os Antigomobilistas e suas maquinas maravilhosas.

De 24 a 26 de Novembro | 12h às 22h

27 de Novembro das 10h às 20h

Pavilhão Oeste Anhembi – São Paulo – SP

TIPO CARACTERÍSTICAS PREÇO
ADULTO Ingressos válidos para qualquer dia e para maiores de 12 anos R$ 25,00
INFANTIL Ingressos válidos para qualquer dia para quem tem de 5 a 12 anos R$ 12,00
MEIA ENTRADA Estudantes, Professores e Aposentados
(Veja condições de venda abaixo)
R$ 12,00

Mais infos: http://salaodeantigos.com.br/