Crônicas Farmacianas

Só um balconista de farmácia sabe o que é ser um balconista de farmácia. E haja paciência!!!


Capítulo 1: Tem desconto?

Quando você vai abastecer seu carro no posto de gasolina, você não pede desconto ao frentista. Mas todo mundo que vai à farmácia acha que tem direito a desconto nos preços: o aposentado quer desconto no medicamento do coração, o garotão bombado quer desconto no aminoácido, a gatinha quer desconto no anticoncepcional e o avarento quer desconto numa cartelinha de analgésico. Isso mesmo! Tem gente que pede desconto numa cartela que custa R$ 1,20! Eu sinto vontade de abrir minha carteira e pagar a cartela de analgésico para o cidadão! Sim, porque se o cara pede desconto numa cartelinha de medicamento, é sinal de que está passando fome! Concordo que alguns medicamentos custam os olhos da cara: 120, 180, 300 reais, mas pedir desconto em qualquer coisa, faça-me o favor. Parece que o povo anda viciado neste negócio de desconto, é uma espécie de compulsão! Até em talco para chulé eles pedem o bendito desconto! E olha que o povo mais bem vestido é o mais chorão! Tem cliente que entra na loja e a primeira coisa que ele fala (nem responde ao seu bom dia) é perguntar com um ar tenso e ansioso: “TEM DESCONTO?”

Capítulo 2: Esquecí o nome.

Mas o que me irrita mais do que o cliente compulsivo por desconto é o cliente com aminésia. O fulano entra na farmácia e solta: ” eu quero um remédio, mas esquecí o nome! Qual é mesmo?” – Como é que eu vou saber, meu senhor? Aí começa aquela ladainha: “É um comprimidinho branco, numa caixinha branca, quadrada com uma tarjinha vermelha, você não sabe?” Alguém aí já viu quantas caixinhas brancas e quadradas tem dentro de uma farmácia? E eles pensam que nós balconistas abrimos caixa por caixa para gravar a cor e o formato de todos os comprimidos, para quando eles esquecerem, nós possamos lembrá-los! Te dou uma dica, meu amigo, minha amiga: quando você não se lembrar do nome do medicamento que você quer, não và à farmácia! Só vá quando tiver certeza do que quer! Não somos adivinhos!

Capítulo 3: Lá tá mais barato

Esta aqui é uma situação muito próxima à mostrada no Capítulo 1: só que aqui o cliente pede desconto, mas o desconto que ele quer! O camarada ou a madame chega e pergunta o valor de um medicamento. Você então, singelo e prestativo balconista anuncia, por exemplo: “-De 28 reais sai por 22 reais”. E é aí que o abençoado lança a pérola: “- Mas não tem desconto?” – Nesta hora não dá vontade nem de responder, mas mesmo assim você tem que dizer: “Já está com desconto” (óbviamente). Pois o cliente ainda tem a segunda bala na agulha que é ainda mais letal: “Ah, mas na Tonga da Mironga Farma, tá mais barato! Mágina!, Paguei 16 reais lá! “. Claro que isso é dito no mais puro tom de indignação! E etnão pergunto a vocês, se o corno encontrou um preço tão bom lá na farmácia da P.Q.P., porque não compra lá? E nesta situação é fácil de saber se o belo está mentindo: se ele agradecer e ir embora, é sinal de que está falando a verdade, mas se insistir e arrumar briga com você te forçando a fazer o preço que ele quer, é forte indicio de que ele está blefando e tentando por o preço no seu produto.

Capítulo 4: A fauna  clientesca

Cliente bom: na minha opinião cliente bom, é aquele que entra na drogaria, pede o medicamento que quer, vai para o caixa, paga e vai embora, como qualquer pessoa normal.

Cliente fujão: é aquele que fica rodando feito um perú tonto pela perfumaria e quando você pergunta se pode ajudá-lo em alguma coisa, ele te olha com um olhar assustado e sai apressadamente da farmácia como se tivesse se deparado com um monstro (você).

Cliente indiferente: este entra na farmácia e também fica rodando feito um perú tonto procurando sabe-se lá o quê nas gôndolas. Você, balconista o aborda e pergunta se pode ajudá-lo. Ele então continua sua busca sem mesmo olhar para sua cara nem falar nada, ou seja, você não existe. Neste caso, afaste-se dele o mais que puder, pois mais cedo ou mais tarde ele vai se dar conta de que é incapaz de encontrar o que está procurando então virá pedir sua ajuda, mas deixe que ele venha até você.

Cliente herói: é o panaca que entra na farmácia com a namoradinha. Ela pede um anticoncepcional (em 90% das vezes) e quando você traz a caixa do medicamento o herói toma a frente  e pede desconto para mostrar que é um cara de atitude, o verdadeiro herói das donzelas férteis.

Cliente especialista: este acha que sabe mais do que você. Diz o nome do medicamento erradamente e erra ainda mais feio na dosagem. E se você for tentar corrigí-lo, ele bate o pé e solta: ” Que isso, eu uso este medicamento há vinte anos! “. Não é necessáriamente hipocondriaco, mas gosta de mostrar que entende. Mas como eu disse, ele na verdade não sabe que não sabe.

Cliente orgulhosão: ele te trás uma receita de cloridrato de ciprofloxacino 500 mg. Você então traz o dito cujo para ele e anuncia o preço: 25 reais. O orgulhosão então estufa o peito e diz: ” Genérico, não! Eu quero o original! Eu não tomo genérico! “ É um dos momentos de desforra que o balconista tem. Ah é? Quer o original? Lá vem o Cipro 500 mg por 147 reais com os mesmos 14 comprimidos. É nessa hora que você vem quem tem bala na agulha para manter o orgulho e quem tem que baixar a bola e comprar o genérico ( 95% baixa a bola e compra o genérico).

Cliente lobo em pele de carneiro: geralmente são senhores idosos e muito gentis. Mas quando o balconista não faz o preço que ele quer, deixa a mascra cair e parte para a ignorância com direito a xingamentos à senhora sua mãe e tremiliques de nervoso (alguns salivam pelo canto da boca). Estes te acusam de tentar enganá-los.

Cliente patrão: geralmente são aqueles senhores bem vestidos com voz de fumantes e pinta de empresários. Entram e vão dando ordens a você: “Me vê aí um Crestor de 10 mg e me faz o preço da Tonga da Mironga porque compro lá mais barato!” Quando é contrariado (não recebe o desconto que exige),  geralmente não cria caso: te olha de cima com ar de reprovação, vira as costas e vai embora sem falar nada.

Cliente campainha: este aparece geralemente quando tem apenas um atendente na farmácia e não percebe sua presença. Então ao invés de chamar o balconista, o cliente campainha fica tamborilando as unhas  ou as chaves do carro no balcão. além de quando o balconista está de costas e o inteligente pergunta: “Não tem ninguém pra atender?” — Não senhora, não tem ninguém! Eu sou apenas uma ilusão de ótica, uma miragem…o Ninguém não pode atendê-la, pois ele está jantando.

Cliente controle remoto
Amigo balconista, sabe quando você está trabalhando no domingo a tarde, com aquela puta preguiça? Então chega aquele cliente mala pedindo algo da perfumaria. Mas por sorte, o produto está numa gôndola bem em frente ao balcão onde você está. Você então ativa o “cliente controle remoto”. É fácil! Você se debruça no balcão, aponta para o produto na gôndola e diz: “é aquele frasquinho ali, senhor!” É claro que ele não vai enxergar de primeira, então você começa a guiá-lo: ” mais à esquerda! Na prateleira de cima! Agora mais a direita, ao lado da caixinha verde! Isso! O senhor está apontando para ele!”. Claro que na maioria das vezes você tem que sair do balcão e ir pegar, mas é interessante guiar um cliente remotamente!

Capítulo 5: Tem recarga?

A cidadã “canadense” entra na farmácia  (pelo naipe você já percebe o que ela quer) e bingo! Ela pergunta: ” Tem recarga? ” Sim tem recarga de celular, minha senhora. Mas aí o abençada começa a remexer na bolsa (detalhe você está sozinho da farmácia e tem mais clientes no balcão bufando) e depois de algum tempo puxa uma agenda maltrapilha e diz: “é pra cinco telefone, dois Vivo, dois TIM e um Claro” é nessa hora que seus ombros caem e sua feição demonstra cansaço, porque aí vai mais uma jornada para a senhora ajustar o óculos de leitura na cara e acertar os botões da maquineta para digitar todos os números. Tudo bem que cada recarga deve ser feita e cobrada indivudualmente e que o impressora solta entre 3 e 5 vias em cada recarga. Mas tudo bem, você tem o turno inteiro para atendê-la! A cliente com dor de dente que vai comprar um anti-inflamatório, pode muito bem esperar o termino da recarga!

Problem, cliente?

Anúncios

4 comentários

  1. bismujetomcilomafitas · março 21, 2011

    esse parece o seu chefe… aposto que vc trabalha em farmacia esse é o M…..

    • Levi's · março 21, 2011

      Não, diga gênio !!! Como descobristes que trabalho numa farmácia???!!! Você é realmente um gênio!!! Dãããããrrrr

  2. bismujetomcilomafitas · março 21, 2011

    o da farmacia é da hora… eu sou a cliente gostosona peço para o balconista… ele olha para a minha coxa e eu saio ele olha para a minha coxa e ganho tudo que quero…

    • Levi's · março 21, 2011

      Amigo, é só uma crônica sobre atendimento ao público. Não precisa revelar sua fantasia sexual de se passar por mulher.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s